top of page
Buscar

Yoga, respiração e problemas pulmonares


O sistema respiratório possui uma vasta rede de ramificações e 400 milhões de alvéolos. Todas as partes trabalham para que não lhe falte oxigênio. Porem esse abastecimento pode entrar em colapso se você se descuidar da saúde pulmonar.


Milhões de brasileiros sofrem de problemas respiratórios que afetam, de forma transitória ou crônica sua qualidade de vida. Doenças como asma, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), pneumonia e câncer. No Brasil, os problemas pulmonares são a quarta principal causa de mortes. Para saber cuidar dessa parte vital do nosso corpo, é importante antes de tudo entender seu funcionamento. Além de possibilitar a fala, a principal tarefa do sistema respiratório é abastecer de oxigênio os tecidos e eliminar o gas carbônico produzido por eles. Esse aparato começa pelo nariz e pela boca, continua por outras vias e segue até os pulmões.


Situado na parte inferior do cérebro, o centro respiratório controla de forma inconsciente o ritmo pulmonar, que geralmente é automático e determinado pelas necessidades fisiológicas do momento. Em repouso, a freqüência respiratória de um adulto saudável é de aproximadamente 12 respirações por minutos, inalando em médio 500 mililitros de ar a cada respiração. Em um exercício intenso, uma pessoa pode chegar a 50 respirações por minuto e levar a seus pulmões 4,6 litros de ar. Em outro extremo, a vida fica por um suspiro quando os pulmões se movem de duas a quatro vezes por minuto e recebem apenas 1,5 litro de ar por minuto. No entanto, nem sempre nossos cuidados são suficientes para manter o sistema respiratório saudável. Isso porque há pessoas que nascem com alguma lesão pulmonar, como é o caso dos portadores de fibrose cística, cujas vias aéreas ficam cheias de secreção bronquial espessas devido a alguma alteração genética. Além disso, nossos pul;mães e brônquios estão sujeitos ao ar aspirado em locais por onde circulam virus, bacterias, fungos, fumaças, gases, poluentes atmosféricos, poeiras e partículas que provocam alergia. Na prática de yoga controlar a respiração é a chave da prática. Quando inspiramos não estamos apenas colocando o “ar para dentro”, mas também inspirando energia. Essa energia que envolve todos os seres é chamado de Prana, segundo a tradição das escrituras do Yoga. O prana flui no nosso corpo através de milhares de canais de energia sutis chamados de “nadis” e pelos centro de energia chamados de “chakras”. Com a prática de yoga aprendemos a controlar e canalizar essa energia para nosso benefícios. Cada asana tem seus movimentos sincronizados com a respiração e, quando praticadas corretamente, nos permitem direcionar a energia do Prana para cada um de nossos chakras, promovendo a cura de diversas enfermidades do corpo e doenças psicossomáticas. Dentro da filosofia do Yoga existem exercícios para controle da respiração, que visam extrair o máximo de energia vital a cada respiração, levando assim, esse pRana para cada célula do nosso organismo. Quando o nível de Prana aumenta, naturalmente nossa mente torna-se calma e positiva, mas só conseguimos nos benefícios dessa energia quando a respiração se torna consciente. A maioria das pessoas desconhece esses benefícios, pois estão desconectadas de sua própria respiração – por isso suas mentes são agitadas e inquietas. Quando a respiração não é controlada, nossa mente permanece instável, mas quando a controlamos conseguimos deixar nossa mente imóvel e permanecer no momento presente, o que é fundamento para nossa saúde mental. Os movimentos da respiração, conforme os pranayamas descritos no Hatha Yoga Padripika, porém para ter condições de começar a praticar os pranayamas é preciso ter controle de sua respiração, tendo como inicio o controle físico que desenvolvemos através dos asanas (posturas físicas) – pois é preciso controlar e desenvolver a musculatura envolvida no processo respiratório. Para isso a respiração completa é uma forma de educação para o respirar consciente e de forma controlada.


Os movimentos da respiração:


Puraka (inspiração) – tem força ativa e atrativa

Rechaka (exalação) – é de movimento passivo e expressivo

Andar Kumbhaka (renteção com os pulmões cheios) – é de natureza de retenção. Tende a aquecer o corpo.

Bahya Kumbhaka (retenção com os pulmões vazios) – é de natureza de entrega. Tende a esfriar o corpo.


A inspiração faz o ar entrar no corpo, nutrindo-o. Na retenção com os pulmões cheios, o ar é assimilado pelo corpo, criando calor. O calor é dissipado pela espiração. Por isso, reter o ar com os pulmões cheios aquece e reter o ar com os pulmões vazios, esfria.


A polaridade das narinas: a narina direita aquece e estimula a energia e a nariz esquerda esfria e é sedativa.


Na prática do Ashtanga Yoga a respiração é o que conduz a prática de asanas e nos leva para o verdadeiro estado de Yoga, a respiração com som (ou Ujjayí), é uma técnica simples, mas muito poderosa como auxiliar na realização dos asanas por aquecer o organismo e por produzir um som que deixa nossa respiração mais evidente funcionando como um fio condutor para nossa concentração enquanto realizamos a prática, característica essa que auxilia igualmente algumas técnicas meditativas.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare


bottom of page